Arquivo da categoria: Arraial D´ajuda

Aventura de férias

 

Talvez você não se lembre, mas o projeto 2012 era uma viagem pelo Nordeste do Brasil, junto com o casal Alexandre e Catarina. Infelizmente este plano teve que ser modificado, por inúmeras razões, como o curto espaço de tempo, a impossibilidade de Catarina participar da viagem, novos planos para as festas de fim de ano, com a chegada de familiares, entre outros.
 
Depois de muito pensarem, decidiram por uma viagem curta, mas que pudesse ser proveitosa no sentido de curtir as estradas e ser divertida e prazerosa como uma boa viagem de férias. Escolheram Arraial d´Ajuda, nos sul da Bahia, como destino.
 
Começaram os preparativos: revisão da motocicleta, a troca de peças necessárias para uma viagem segura e a reserva da pousada.
 
A viagem seria realizada pelo casal aventureiro e o amigo Alexandre. Infelizmente Catarina não poderia estar presente, mesmo sendo uma viagem mais curta, por motivos profissionais.
 
Com tudo pronto, colocaram as rodas na estrada!
 

Começando a mini aventura…

1º. Dia – 15.12.2012
Lauro de Freitas – Arraial d´Ajuda
 
Saíram de casa por volta das 05h30m, o caminho de 713 km seria percorrido em um dia e ainda queriam aproveitar o fim do dia na cidade do destino. O dia já estava claro, afinal, é verão na
Bahia.
 
 
 
 
Todos conheciam Arraial, Alexandre nunca tinha ficado hospedado no vilarejo e Jorge e Andréa tinham estado por lá em 2005, o casal lembrou que Arraial foi o destino de sua primeira aventura sobre duas rodas por estas bandas.
 

Optaram por usar somente as estradas, já que o Ferry-boat que liga Salvador à Ilha de Itaparica encontra-se em estado deplorável de atendimento, com longas esperas e, muitas vezes, com apenas 02 ou 03 embarcações funcionando.

 
A viagem foi tranquila, com inúmeras paradas para descanso e para hidratação regada a água de coco e uma alimentação leve, afinal o calor é intenso nesta época do ano nas terras baianas.
 
 

Por volta das 09h fizeram uma parada para avaliar o pneu da moto de Alexandre, que estava esvaziando. Ele utilizou tire repair, que funcionou por quase toda a viagem.

 

 

 

 

As queimadas e os rios secos dão uma demonstração da realidade que assola o Nordeste esta época do ano. As estradas estavam em boas condições, com poucos trechos que exigem mais atenção, entre eles a estrada que liga a BR 101 a Porto Seguro/Arraial/Trancoso, uma estrada belíssima, mas repleta de trechos com areia e muitas curvas.

 
Este Ipê
laranja faz parte da história de Jorge e Andréa. Abaixo desta árvore Andréa
fotografou Jorge e sua moto Shadow em 2005, na primeira aventura sobre duas rodas do casal por estas terras (veja o vídeo em https://aventurasemduasrodas.com.br/2010/10/viajando-sos.html).
 
Chegaram a Arraial por volta das 16h30minh, e a Pousada do Campo, escolhida para hospedagem, fica logo na entrada da Vila e que rendeu a primeira situação engraçada: Andréa pediu a orge que parasse para perguntar a localização da pousada. Assim o fizeram e ao questionar um morador sobre onde ficava a Pousada do Campo, este olhou para o outro lado da rua e disse: “Fica bem ali”. Já estavam em frente à pousada e não tinham visto. Isto já foi motivo de risos e piadas.
Os viajantes estavam um tanto preocupados em relação à pousada, pois ela foi localizada na
internet por Andréa, que pesquisou informações sobre suas condições, tendo boas referências, mas nunca se sabe o que se pode encontrar ao vivo. Para boa surpresa, a pousada é uma graça, simples, mas limpa, organizada, com ótimo chuveiro e cama confortável e um preço justo. Tudo que um viajante de moto precisa ao chegar ao seu destino. Os funcionários são muito prestativos e atenciosos, e sua localização é excelente, estando perto de tudo, porém distante o suficiente do agito noturno característico de Arraial.
 

Jantaram no restaurante Portinha (www.portinha.com.br), velho conhecido do casal Jorge e Andréa, pena que o self-service ocorre apenas no almoço, tiveram que comer um gigantesco filé à parmegiana!!!

Deram uma volta pela Rua Mucugê, mas o cansaço da viagem os fez dormir cedo. Afinal, tinham que aproveitar o dia seguinte!

Imagens desta aventura!

 

Vida de turista

2º. Dia – 16.12.2012
Arraial d´Ajuda

“Estando dois padres em Arraial d´Ajuda, fundando uma Casa e não tendo água que fosse boa para beber, desejando ali uma fonte, quis Deus que neste caminho caiu um monte e com o abrir da terra se abriu a mais formosa fonte que agora há naquela terra. E porque a casa que fundavam é de invocação de Nossa Senhora d´Ajuda, se chama a fonte da mesma Senhora”. 
José de Anchieta
 
Esta é uma das versões para o nascimento deste vilarejo Arraial de Nossa Senhora d´Ajuda, em 1549, com o início da construção da Igreja dedicada a Nossa Senhora d´Ajuda, marco mais antigo da história da vila. Muitas são as histórias de milagres atribuídas à Fonte de Nossa Sra, o que passou a atrair muita gente, fazendo que com os jesuítas abrissem suas portas para alojar os romeiros. Juntou-se a eles, no final da década de 70, os hippies (que estavam a caminho de Arembepe – Litoral Norte de Salvador) e os europeus, que foram chegando e formando esta mistura característica do lugar até os dias atuais.
 

A aldeia foi batizada com esse nome em homenagem a Tomé de Sousa e aos primeiros jesuítas que chegaram ao local por volta de 1549, com suas três naus: Conceição (nome da Igreja da Conceição da Praia em Salvador, padroeira da cidade), Salvador (nome dado à primeira cidade) e Ajuda, a padroeira do vilarejo. Com a legalização do Distrito, o nome definitivo ficou Arraial d´Ajuda.

Arraial está no topo das falésias coloridas, rodeada pela Mata Atlântica e pelos 28 km de belas praias de águas mornas e tons de verde e azul. Arraial tem a mesma latitude de outros lugares místicos espalhados pelo mundo, como Bali, na Indonésia, o que atraem esotéricos e aventureiros.
 


Depoimento Andréa: “Assim como na Igreja do Nosso Senhor do Bonfim, em Salvador, as grades que enfeitam a volta da Igreja de Nossa Senhora d´Ajuda ficam repletas de fitinhas. Diz a lenda que você, ao amarrar a fita, pode fazer um pedido. Eu acredito!!! Em minha primeira visita à Arraial pedi para ser feliz na Bahia, e eis que ele tem se realizado! Atrás da igreja é possível ver uma das mais belas paisagens de Arraial, que dispensa comentários. Parece que a Igreja está a abençoar aquela terra fantástica e tão bela.”

 
No meio de sua praça principal vemos o antigo cemitério de Porto Seguro, agora desativado, embora pessoas tenham sido enterrados ali, mais uma interessante peculiaridade de Arraial. 

Rua Mucugê, principal rua do vilarejo,já foi uma estrada que levava ao rio Mucugê. Atualmente é onde se concentram as lojas, bares, restaurantes e pousadas da região. Ao final da rua o viajante tem acesso às praias de Mucugê e de Pitinga.

No primeiro dia como “turistas”, os viajantes acordaram cedo e decidiram ir para a praia, entre as inúmeras opções de belas praias de Arraial e Trancoso, sua vizinha, escolheram ficar na praia principal de Arraial, Praia de Mucugê. Uma praia agitada na alta temporada, local de festas e baladas, mas que nesta época do ano, mesmo cheia, ainda tem certa tranquilidade. 

Mucugê é um nome dado a uma árvore indígena, quando os índios desciam em direção à praia, passavam debaixo destas árvores, hoje extintas. A praia é em forma de meia lua e é a mais próxima ao povoado. As ondas são fracas, pois se  quebram nos inúmeros recifes próximos da costa,o que lhe confere muitas piscinas naturais e um mar calmo, ótimo pra banho.

Escolheram a barraca Arapati, boa comida e ótimo atendimento, mas os preços não são muito atrativos, depois descobriram que era a barraca mais cara da praia, mas algumas regalias compensam.

Quando a maré está muito baixa as piscinas ficam rasas e é possível deitar no mar e curtir a vista belíssima dos recifes que se mostram sobre as águas.
 
Passando o dia na praia é possível acompanhar a entrada e a saída da maré e as mudanças de um visual encantador. 

Na Rua Mucugê, é possível se misturar aos moradores, índios, hippies, e turistas nacionais e estrangeiros, em uma misturade sons e tons. Mucugê é chamada de “esquina ou o cantinho do mundo” em virtude de receber pessoas de todos os cantos do planeta. Nesta rua é possível comer de cachorro-quente e espetinho, na praça, ao mais sofisticado prato feito por chef´s de todas as partes do mundo. A diversidade gastronômica é um dos seus pontos fortes e a beleza e o cuidado na decoração de seus bares, restaurantes, lojas,encantam e a fazem, ainda mais charmosa.

Os “turistas” comeram no Restaurante Pizzaria do Binho, um rodízio de pizzas diferente, você escolhe o sabor das pizzas que deseja comer no rodízio. Esta moda podia pegar pelas bandas de Lauro de Freitas. Um senhor muito simpático, que não se sabe se é o Binho, fica na porta convidando os clientes para comer a “melhor pizza de Arraial”.
 
Depois de jantar, decidiram passear um pouco e descobriram a loja Teima Kasih (http://www.terimakasih.com.br/), que significa “muito obrigado”, em indonesiano. A loja é um passeio à parte. Traz belezas inacreditáveis em arte, artesanato, vestuário, entre tantas coisas, de Bali, na Indonésia.


A loja em si já é um espetáculo, com uma riqueza de detalhes que valem a pena. Um olhar mais atento vai se deparar com objetos belíssimos e encantadores. O preço é sedutor, pois não é tão caro quanto parece ao se olhar para a loja, ainda bem que os viajantes andam de moto. Enfim, um ponto turístico que vale a pena ser conferido!!!

Foram também ao Projeto Coral Vivo (http://coralvivo.org.br/), onde é possível ver diversas espécies de corais de diversos tamanhos e formas. Um visual diferente e incrível do fundo do mar! Em Arraial fica a primeira base do projeto, que está localizada no Parque Marinho do Recife de Fora (destino de alguns passeios de barco).

O Projeto Coral Vivo iniciou suas atividades em 2003, trabalhando com pesquisa e educação para a conservação e uso sustentável dos ambientes recifais e das comunidades coralíneas brasileiras, atuando de forma integrada, multidisciplinar e multi-institucional. Tem foco em três vertentes: geração de conhecimento (pesquisa); ensino e educação ambiental; e sensibilização e mobilização da sociedade. Em 2006, o projeto integrou-se à Associação Amigos do Museu Nacional (Samn), organização não governamental sem fins lucrativos, localizada no Rio de Janeiro, fundada em 1937 e detentora de título de utilidade pública estadual desde 1966. O projeto possui unidades de conservação que reúnem uma das maiores biodiversidades de ambientes coralíneos do Brasil.
 
Depois de tanta beleza, só restou aos viajantes descansar e
pensar nos passeios do dia seguinte.
 
Mais imagens pra você se divertir!!
 
 

Desbravando a vizinhança

3º. Dia – 17.12.2012
 
Arraial d´Ajuda, Porto Seguro e Santa Cruz Cabrália
 
 
Neste dia os viajantes decidiram desbravar novas praias e optaram por ir à Praia de Pitinga, também próxima ao vilarejo. Estar de moto limita aventurar-se por estradas de terra e areia, o que não permitiu que fossem conhecer praias mais distantes.
 
O nome Pitinga, de origem indígena, significa Pigmento Branco, porém na língua nativa, significa Vermelho, o que pode ser explicado pelas cores das falésias que cercam o mar à beira da bela praia, formando, junto aos recifes, um  visual fantástico. Na maré baixa também proporciona piscinas de águas mornas (quase quentes, no verão) e o visual de ondas fortes quebrando em seus recifes. Realmente um lugar de belas paisagens.
 
Em tupi-guarani, Pitinga significa pequeno crustáceo, ou alguma coisa suave, leve e branca. Talvez essa seja a melhor opção para definir a praia de Pitinga. Suave em seu mar, leve em seu visual, esplêndida e branca em sua areia fofa e na transparência de suas águas esverdeadas. Pitinga também é um nome dado a um peixe bem pequenino, com sabor forte e servido em barracas por toda a Bahia.
 
Pitinga é definida, por quem conhece de belezas naturais, como uma das mais belas e exóticas praias do litoral brasileiro. Sua infraestrutura de cabanas chamam a atenção dos turistas.
 
 
Optaram por ficar na Barraca Maré, indicada pelo garçom que os atendeu no dia anterior. A Barraca possui uma excelente infraestrutura, com boa comida e ótimas opções de roskas.
 
 

Aproveitaram para caminhar um pouco pela praia, ver de perto as falésias,  principal atração desta região e de nadar nas piscinas naturais, repletas de peixinhos e de águas transparentes.

 
Ficaram em Pitinga até o início da tarde e após curtirem as paisagens, a hospitalidade local e as águas mornas, voltaram pra Arraial. E na volta aproveitaram para fotografar a Igreja de Nossa Senhora d´Ajuda e a vista do mar que se perde ao fundo da igreja. Sem dúvida, uma das mais belas paisagens do vilarejo.
 
 
Após um bom banho, almoçaram no Restaurante ‘A Portinha’, não queriam perder um dos melhores almoços a quilo já experimentados. A variedade e o sabor fazem deste restaurante uma ótima opção.
 
 
Depois de se deliciar com o almoço, decidiram ir passear na cidade vizinha, Porto Seguro. A balsa que atravessa o Rio Buranhém é um dos caminhos para se chegar a esta famosa cidade do sul da Bahia, conhecida por suas praias, sua agitação e pela Passarela do Álcool, rua em que barracas vendem uma imensa variedade de bebidas feitas de frutas da região dividem espaços com inúmeros restaurantes e lojas de “lembrancinhas”.
 
“E velejando
nós pela costa, na distância de dez léguas do sítio onde tínhamos levantado
ferro, acharam os ditos navios pequenos um recife com um porto dentro, muito
bom e muito seguro, com uma mui larga entrada”.


Pero Vaz de Caminha
 
 

Porto Seguro foi fundado em 1534, e foi tombado pelo Patrimônio Histórico Nacional, por ser o local de chegada dos portugueses ao Brasil em 1500. Porto Seguro tem um extenso litoral que se inicia com Arraial d´Ajuda e vai até Santa Cruz Cabrália, sendo divididos pelo Rio Buranhém, o que lhe confere o título de Patrimônio Natural da Humanidade.

Em Porto Seguro os turistas passearam de moto por toda a orla, apreciando as belas praias da região, até chegarem à Santa Cruz Cabrália. Santa Cruz Cabrália briga pela primazia de ser o local de descoberta do Brasil.
 
Do alto da cidade é possível ver o primeiro “porto”, onde as naus de Cabral atracaram ao chegar ao Brasil.
 
Santa Cruz Cabrália é uma das cidades construída em dois planos, assim como Salvador, seguindo a tradição portuguesa. Foi criada à margem do Rio Mutari pelo navegador pelo português Gonçalo Coelho, comandante da segunda expedição ao Brasil, em 1503, onde desembarcaram os primeiros missionários e aventureiros, entre eles, o observador Américo Vespúcio. Oito décadas depois, a Vila de Santa Cruz, nome então dado ao Brasil, foi transferida para um platô, na foz do Rio João de Tiba, atual Centro Histórico, de onde é possível ter uma vista de toda a cidade de Porto Seguro.
 

Nesta parte alta está a Igreja Nossa Senhora da Conceição, construída no século XVII, primeira padroeira do Brasil, antes de Nossa Senhora
Aparecida e atual padroeira da cidade de Salvador.

 

Também é possível conhecer a Casa da Câmara e a Cadeia, que abrigou a primeira intendência do Brasil.

 
 
 

E as ruínas do primeiro colégio jesuíta do século XVI.

 

 

 

 

A cidade de Porto Seguro é Monumento Nacional desde 1973, por ser um dos primeiros núcleos habitacionais do Brasil, além de ter o Marco do Descobrimento. O marco veio de Portugal entre 1503 e 1526, utilizado para demarcar as terras, simbolizando o poder da coroa portuguesa.


Após um pequeno passeio pela história do Brasil, e já com o dia chegando ao fim, os viajantes, por estarem de moto, decidiram “bebemorar” em Arraial, onde poderiam circular a pé, apenas passando pela passarela do álcool.
 
Escolheram comer no “Crepe da Miloca”, uma creperia que existe há mais de 13 anos na região e tem um grande número de opções de crepes feitos na hora e que são deliciosos.
 
Aproveitaram para dar mais uma olhadinha na loja de artigos da Indonésia, afinal, é de uma beleza que não cansa.
 
 
 
 
 

 

A sobremesa no final da noite ficou por conta do maravilhoso sorvete da “Soverteria Coelhinho” (www.sorveteriacoelhinho.com.br), conhecida por ter um coelhinho de pelúcia andando de bicicleta na porta.

 

 
 
 
Passeios em imagens:



Para conhecer mais:
 
http://pt.wikipedia.org/wiki/Porto_Seguro
http://www.portosegurotur.com/
http://www.feriasbrasil.com.br/ba/portoseguro/
http://pt.wikipedia.org/wiki/Santa_Cruz_Cabr%C3%A1lia
http://www.feriasbrasil.com.br/ba/scruzcabralia/
 
 

Aventura em quatro rodas

4º. Dia – 18.12.2012
Arraial d´Ajuda
Aventura em quatro rodas
 
 
Era o último dia das férias, antes de começar o caminho de volta pra casa. Escolheram fazer algo diferente e buscaram por aventuras nas agências locais.
 
A aventura possível parecia emocionante e enquanto aguardavam o horário dela começar, decidiram curtir novamente a praia de Mucugê, a mais próxima e nem por isso menos bela.
 
Os viajantes decidiram parar na Barraca de Praia “Cantinho Mineiro”, um lugar aconchegante, com uma comida maravilhosa, roskas de primeira qualidade e um atendimento fantástico, além de um preço justo.
 
Lugar em que puderam conhecer duas figuras inesquecíveis que os atenderam na barraca.
Passaram toda manhã na praia, aproveitaram para um banho de mar e para caminhar pelas piscinas naturais, mas também para aproveitar a paisagem curtindo uma rede.
 

Depoimento Andréa: “Apreciar a mudança de maré é algo deslumbrante, nos mostra o movimento da vida. Olhar o mar calmo e suas cores vivas é realmente energizante. Só posso agradecer por poder vivenciar tudo isso”.

Após aproveitar bem o último dia de praia, os aventureiros ficaram aguardando o carro que iria pegá-los para levá-los em direção ao último passeio por Arraial, mas agora sobre quatro rodas. Isso mesmo, os “malucos” decidiram alugar quadriciclos e aventurar-se por uma trilha rumo à praia de Taípe.
 
Arraial conta com inúmeras empresas que realizam passeios e trilhas, os viajantes escolheram a empresa Bahia Radical (http://www.arraialdajuda.tur.br/bahia-radical/#) para realizar a aventura e a experiência foi fantástica. Não deixe de conhecer!!!!
 
A trilha que leva à Praia de Taípe tem cerca de 25km e é isolada por falésias de 20 metros de altura em meio a Mata Atlântica. O passeio corta fazendas de mata nativa, mistura de belas paisagens, alguns riscos e muita adrenalina, com travessia de pequenos rios, subidas e descidas por penhascos que dão mais animação à aventura.
 
O passeio teve direito até a uma quase-queda, que deu o que falar e o que rir…mais uma vez Andréa encontrou a areia e pôde relembrar outras aventuras.
 

No centro da praia de Taípe está a Lagoa Azul, que pode ser vista apenas em maré baixa e se destaca com a luz solar. Suas areis são ricas em silicato de alumínio, utilizado na indústria cosmética, dizem que é ótimo para a pele.

Taípe é uma praia tranquila, é foz do rio do mesmo nome, suas águas são mais escuras, devido à vegetação do mangue, mas completamente limpa e ótima para a pesca.

Nesta praia os viajantes puderam tomar um delicioso banho de mar e Jorge se divertiu pegando “jacarés”. Andréa aproveitou para caminhar e fotografar este lugar exuberante e fantástico.
 
Ficaram na praia por cerca de uma hora e na volta puderam parar em um mirante, em cima das
falésias, e vislumbrar as belezas de Taípe do alto de suas falésias. A trilha
passou por matas mais fechadas e o passeio ficou ainda mais divertido.
 
 
Realmente uma aventura inesquecível e muito divertida!!!!!!
 
 
 
 

Voltaram exaustos e cheios de terra para a pousada. Precisavam mais que um banho, mas um esfregão total! Cansados mas felizes, muito felizes.

 

Depois de um merecido banho, saíram para curtir a última noite em Arraial. Decidiram conhecer o Miloca Crepes e Hamburgueres, um lugar divertido, cheio de fotos de atores, atrizes e músicos, com deliciosos e gigantescos hambúrgueres.



 

 

 

 

 

Aproveitaram para se despedir de Arraial com mais um sorvete do Coelhinho. Combinaram de sair cedo no dia seguinte em direção a Itacaré, onde passariam a noite, seguindo viagem no dia seguinte para Lauro de Freitas, aproveitando para  conhecer a nova estrada Itacaré-Camamu.

Desmaiaram na cama depois de um dia cansativo, mas divertidíssimo e inesquecível.
 
 
 
Acompanhe esta aventura sobre quatro rodas em imagens:
 
 
Para conhecer mais:

Voltando pra casa……

 5o. Dia – 19.12.2012

Arraial d´Ajuda – Itacaré

 
Acordaram por volta das 06h30minh, tomaram café e “levantaram acampamento”. Objetivo: chegar a Itacaré e ainda conseguir aproveitar uma prainha e uns passeios por lá.
 
Com tudo pronto, se despediram do pessoal da pousada, que foi muito hospitaleiro, e colocaram as rodas na estrada e as 08h30m já estavam a caminho do início da volta pra casa.
 
Mas no meio do caminho tinha uma lombada, tinha uma lombada no meio do caminho……….
 
A cerca de 16 km de Arraial, a equação: estrada com curvas + lombada + falta de sinalização + areia na pista, foi um obstáculo e tanto, que acabou causando a queda de Motta.
 
Depois do enorme susto e de saber que tudo estava bem (ou pelo menos parecia estar), restou tentar seguir viagem. Com certa dificuldade e a tensão do primeiro acidente, os viajantes conseguiram chegar até próximo a Itabuna, onde decidiram acionar o seguro.
 
Após aguardarmos por algumas horas, Motta seguiu viagem com o táxi da seguradora, depois de despachar a moto de guincho. Nessas horas percebemos a importância de um bom seguro.
 
Aqui a viagem chegava ao fim para Alexandre, mas Jorge e Andréa ainda precisavam seguir. Tensos, com todo o ocorrido, continuaram até o anoitecer. Ambos queriam rodar o máximo possível, pensando em chegar de volta o quanto antes.
 
Encontraram um hotel simples de estrada, em Gandu, mas, para surpresa de ambos, com uma boa e aconchegante sopa de jantar, tudo que precisavam para tentar relaxar e dormir um pouco. Mas foi uma longa noite…
 

Depoimento de Andréa: “Foi horrível, meu coração disparou. Eu desci da moto e fui até o Mota, que estava no chão, nem me lembro de como. Nunca tinha passado por isso, em kms de viagem, já tínhamos vivenciado pequenos acidentes, mas eu nunca tinha visto de perto, ocorreram em momentos em que estávamos distantes. Mas ali não, vimos tudo e é um susto, um choque, um desespero até termos certeza de que tudo está bem, ou não tão grave. Realmente foi um momento difícil. Uma longa noite sem conseguir dormir, pensando que ainda tínhamos que chegar em casa”.

 

6º. Dia – 20.12.2012 – Fim da viagem

Jorge e Andréa acordaram cedo, tomaram o café da manhã e subiram na moto, pensando apenas em chegar, sãos e salvos.

Chegaram a Lauro de Freitas por volta das 15h. Agradecidos por estarem de volta!!